Ap. Estevam envia recado para Kaká e Luis Fabiano
31 de Maio/Segunda Feira

Diz a velha frase: futebol, política e religião não se discutem. Mas, na seleção brasileira, futebol é religião e política. Comandados por Jorginho, jogadores evangélicos organizam rodas de orações. Kaká e Luís Fabiano, ambos em recuperação de estiramento na coxa, foram abençoados virtualmente por Estevam Hernandes, fundador da Igreja Apostólica Renascer em Cristo.

“Luiz, Deus te abençoe ricamente e te dê a cura em vitória em nome de Jesus. Estamos orando por você”, disse Estevam. Como resposta, Luís Fabiano escreveu: “Amém, Apóstolo Estevam …muito obrigado pelas orações…”. O atacante garantiu que está bem: “Graças a Deus estou muito bem”.

Para Kaká, o apóstolo mandou um recado. “Semana de demonstração do poder da fé”. Ontem pela manhã, o jogador escreveu: “Para cada manhã há um milagre de Deus. Andando com Jesus não há perdas”. Depois, usou a mesma expressão em inglês. A troca de mensagens aconteceu pelo Twitter oficial dos jogadores e de Estevam. A CBF liberou o uso da rede social, mas com restrições.

Fervoroso, Kaká, que costuma usar uma camisa com a inscrição ‘I belong to Jesus’ (‘Eu pertenço a Jesus’), é muito ligado à Igreja Renascer, onde casou e para a qual faz doações em dinheiro, além de ser amigo de Estevam Hernandes. O jogador entregou à Igreja o troféu de melhor jogador do mundo em 2007 e já admitiu que pretende virar pastor quando encerrar a carreira. Na África, ele usará uma chuteira com a inscrição ‘Jesus em primeiro lugar’.

A Seleção tem forte cunho evangélico, já que Jorginho é convertido e comanda rodas de orações na Seleção. Kléberson, inclusive, frequenta a mesma igreja do auxiliar de Dunga. Lúcio é amigo do apóstolo Estevam, com quem já fez viagens. “A Bíblia para mim é um manual. Você tem instruções ali que Deus deixou bem claras para você usar no dia a dia”, afirmou o zagueiro, recentemente. Já Felipe Melo revelou que seu maior sonho é ser diácono de sua igreja no Brasil.

Fonte: O Dia / Gospel+


Faça um blogueiro feliz comente Related Posts with Thumbnails
Nossos Velhos Pais
31 de Maio/Segunda Feira

Pais heróis e mães rainhas do lar.
Passamos boa parte da nossa existência
cultivando estes estereótipos.

Até que um dia o pai herói começa a passar o tempo todo sentado, resmunga baixinho e
puxa uns assuntos sem pé nem cabeça.

A rainha do lar começa a ter dificuldade de concluir as frases
e dá pra implicar com a empregada.

O que papai e mamãe fizeram para caducar de uma hora para outra?
Fizeram 80 anos.

Nossos pais envelhecem.
Ninguém havia nos preparado pra isso.
Um belo dia eles perdem o garbo, ficam mais vulneráveis e adquirem umas manias bobas.
Estão cansados de cuidar dos outros e de servir de exemplo: agora chegou a vez de eles serem cuidados e mimados por nós, nem que pra isso recorram a uma chantagenzinha emocional.


Têm muita quilometragem rodada e sabem tudo, e o que não sabem eles inventam.

Não fazem mais planos a longo prazo, agora dedicam-se a pequenas aventuras,
como comer escondido tudo o que o médico proibiu.

Estão com manchas na pele.

Ficam tristes de repente.

Mas não estão caducos: caducos ficam os filhos, que relutam em aceitar o ciclo da vida.

É complicado aceitar que nossos heróis e rainhas já não estão no controle da situação.

Estão frágeis e um pouco esquecidos, têm este direito, mas seguimos exigindo deles a
energia de uma usina.

Não admitimos suas fraquezas, seu desânimo.

Ficamos irritados se eles se atrapalham com o celular e ainda temos a cara-de-pau de corrigi-los quando usam expressões em desuso:
calça de brim? frege?auto de praça? Em vez de aceitarmos com serenidade o fato de que as pessoas adotam um ritmo mais lento com o passar dos anos, simplesmente ficamos irritados por eles terem traído
nossa confiança, a confiança de que seriam indestrutíveis como os super-heróis.
Provocamos discussões inúteis e os enervamos com nossa insistência para que tudo siga como sempre foi. .
Essa nossa intolerância só pode ser medo.

Medo de perdê-los, e medo de perdermos a nós mesmos, medo de também deixarmos de ser lúcidos e joviais.
É uma enrascada essa tal de passagem do tempo.

Nos ensinam a tirar proveito de cada etapa da vida, mas é difícil aceitar as etapas dos outros, ainda mais quando os outros são papai e mamãe, nossos alicerces, aqueles para quem sempre podíamos voltar, e que agora estão dando sinais de que um dia irão partir sem nós.

Autora: Sônia Regina Barros


Fonte: http://www.gospeljovens.com.br


Faça um blogueiro feliz comente Related Posts with Thumbnails
Menino de 2 anos fuma 40 cigarros por dia
30 de Maio/Domingo

Foram divulgadas nesta quarta-feira as primeiras imagens do menino indonésio Aldi Suganda Rizal, de apenas 2 anos. O garoto é viciado em cigarros desde os 18 meses, quando recebeu o primeiro maço de seu pai, Mohammed

Hoje, Aldi fuma 40 cigarros por dia. Segundo sua mãe, Diana, o menino é tão viciado que, quando é proibido de fumar, grita e bate com a cabeça contra a parede, além de queixar-se de tonturas e enjoos.

"Ele trata os cigarros como outra refeição", disse Diana. "Eu tento distraí-lo com brinquedos e jogos, mas nada funciona."

Para o pai, Aldi parece muito saudável. Ele não vê problemas no vício do menino, pelo contrário, orgulha-se. "Ele fuma como um adulto. Já aprendeu a soprar anéis de fumaça e sopra fumaça pelo nariz", diz Mohammed.



Fonte: Com informações da Veja / R7 / The Sun Related Posts with Thumbnails
Banho de Balde
29 de Maio/Sábado

- Cê credita minina?! Cheguei em casa ontem e não tinha água! Cheguei em casa hoje e não tinha água!
- Ah, mas eu acredito dimais… a cidade pequena tá ficano grande! O povo vai subindo os morros e a água nun guenta chegá lá im cima!
- Cê credita?! Onti té durmi sem tomá banho, mais justo hoje qui vô viajá… aágua cabô traveiz! “Ai, ai, ai”, eu pensei, “vou ter que tomar banhdibaldi”.
- Não!?
- Sim. Banhdibaldi. Meio baldi ainda, que peguei um restin di água que inda saía pela tornera… e ainda lavei o cabelo!
- Nossa! Mais aí cê economizô dimais!
- E num é? Otrô dia eu pensei nessa coisa da água acabá, do mundo ficá seco, do mar virá sertão… intão té pensei qui a genti gasta uma tantura de água!
- Ai..
- Ah, mas dimais! Dimais! Quando qui a genti lava rôpa, poim na máquina e ela fica, fica.. e joga água e pega mais e vira e mexe e, às vezes, pega um cadim mais de água… se preciso.
- E num é?!
- I é! Traveiz eu fui tomá banho e disse que eu merecia um banho bem demorado! Então eu fiquei uns minutinhos a mais. Ou então, quando eu quero tomar banho com água qeuntin, mas aí eu coloco o chuveiro no inverno, aí a água fica bem quenti, aí eu tenho que ligar mais o chuveiro, para sair mais água… que fica morninha!
- É… té qui esse povo da universidade que diz que a água vai cabá tá falano a verdade! E já cabô.
- É nada! São esses studanti que vem qui, enche a cidade e gasta tudo a água.
- E num é?!
- É sim. Eu digo… é sim!
- É… num sei o que qui vai sê. Cidade pequena que qué virá grande de um dia prô otro!
- I num é… i é a genti do morro qui paga. Água num chega e banho é dibaldi.

Autora: Tábata Mori


Fonte: http://blig.ig.com.br/ex_pressao Related Posts with Thumbnails
Ah, se todas mães e sogras fossem como Maria!
29 de Maio/Sábado

Há uma grande diferença entre o que Maria representa para os católicos romanos e para nós, os evangélicos. Os primeiros, por valorizarem mais a tradição do que a Bíblia, asseveram que a mãe de Jesus permaneceu sempre virgem e a consideram mediadora entre Deus e os homens. Para nós, que temos a Bíblia como a nossa fonte primária de autoridade, ela não permaneceu virgem perpetuamente, posto que Jesus foi o seu primogênito, e não unigênito (Mt 1.25; 13.55).

Os evangélicos se baseiam na Bíblia, especialmente em 1 Timóteo 2.5 e João 14.6, para não acreditarem na mediação de Maria. Os aludidos textos asseveram que o Senhor é o único Mediador. Ela, como todos os seres humanos, nasceu em pecado (Rm 3.23) e precisava de um Salvador (Lc 1.46,47). Mas o fato de não aceitarmos os dogmas romanistas acerca da mãe de Jesus não significa que a desrespeitemos. Pelo contrário, conquanto não a deifiquemos, consideramo-la uma mulher virtuosa, portadora de inúmeras qualidades, as quais a tornam um paradigma para as mães da atualidade.

Maria era uma serva do Senhor (Lc 1.48), disposta a cumprir a sua Palavra (Lc 1.38). Isso parece pouco. Mas, quais são as mulheres da Bíblia que são chamadas textualmente de servas do Senhor? E, quantos hoje desejam obedecer aos princípios e mandamentos das Escrituras? Vemos muitos crentes determinando, decretando, dando ordens para Deus... Quem de fato deseja servi-lo, como fez a mãe de Jesus?

Não foi por acaso que o anjo do Senhor disse a Maria: “Alegra-te, muito favorecida! O Senhor é contigo” (Lc 1.28). Ela estava cheia! E isso não é um trocadilho com a sua gravidez. Ela estava cheia de fé, de alegria, como se depreende de seu cântico de louvor a Deus — o Magnificat —, e do Espírito Santo (Lc 1.39-49). Por essa razão, ao saudar a sua prima Isabel, a criancinha (João Batista) no ventre desta saltou. O encontro entre essas duas mulheres, aliás, antecipou o cumprimento da promessa do Senhor registrada em Mateus 18.20: “Porque onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, ali estou no meio deles”.

Na verdade, aquele encontro contou com a presença de quatro pessoas cheias do Espírito: três servos e um Senhor! Isso mesmo. Além das duas gestantes, participaram do culto o Senhor Jesus e João Batista. Este, ao saltar no ventre de sua mãe, levou-a a chamar Jesus de Senhor (Lc 1.43). E, àquela altura da gravidez de Maria, Ele era apenas um ovo informe! Veja que grande resposta aos defensores do aborto, que se apegam à falaciosa tese de que a vida só começa depois que o sistema nervoso está em pleno funcionamento!

Maria era também uma mulher de fé e uma mãe cuidadosa. Nas Bodas de Caná, na Galileia (Jo 2.1-12), ela contrariou o bordão romanista “Peça à mãe que o Filho atende”, ao pedir aos que trabalhavam na festa: “Fazei tudo quanto ele [Jesus] vos disser”. A despeito de ela saber, desde o início, que Jesus era o Filho de Deus e que a sua prioridade era “tratar dos negócios do Pai”, o acompanhou de perto, em todos os momentos, desde a infância (Lc 2.48). E, por estar perto dEle, junto à cruz, ouviu uma linda palavra de afeição (Jo 19.25-27).

Ah, se todas as mães — e sogras (risos) — fossem como Maria! Que todas olhem para a sua vida e aprendam a amar ao Senhor acima de todas as coisas e a cuidarem bem de suas famílias!

Autor: Ciro Sanches Zibordi


Fonte: http://www.ogalileo.com.br Related Posts with Thumbnails
Comercial mostra Deus como argentino
28 de Maio/Sexta Feira

Um comercial da cerveja Quilmes, patrocinadora oficial da seleção de futebol da Argentina, provoca polêmica ao mostrar “Deus” como sendo argentino. A propaganda, entitulada “Diós”, passou a ser veiculada neste fim de semana na Argentina relaciona Deus a momentos marcantes da seleção na história das Copas.
Visite: Gospel, Noticias Gospel, Videos Gospel, Musica Gospel

“Para a Quilmes, assim como para todos os argentinos, a Copa do Mundo é uma ocasião muito especial”, diz Diego Belbussi, diretor de marketing da empresa. “Estamos seguros que esta propaganda deixará uma mensagem de confiança sobre a história, o presente e o futuro da seleção.”

No comercial, uma voz vinda dos céus fala à população que foi sim responsável por lances históricos nas Copas do Mundo, como a bola na trave que evitou a derrota da Argentina para a Holanda no último minuto da final da Copa de 1978, ou a série de bolas que chutadas na trave pelos jogadores do Brasil durante a partida contra os argentinos no Mundial de 1990. “Sim, fui eu”, diz a “voz” no comercial.

“Deus” também admite ter colaborado no famoso gol feito com a mão por Maradona contra a Inglaterra na Copa de 1986. “Esta pode ter sido sim a minha mão”, diz.

A propaganda segue mostrando lances decisivos protagonizados pelos argentinos, como os pênaltis defendidos pelo goleiro Goycoechea, também em 1990, o golaço de Maradona driblando vários ingleses, em 1986, o gol do título da final daquela Copa, marcado por Burruchaga contra a Alemanha, e o gol de Palermo em pleno temporal no final da partida contra o Peru, nas Eliminatórias para a Copa de 2010, que salvou a Argentina de ficar de fora da Copa. E “Deus” diz: “Não, isso não fui eu!”. O comercial termina pedindo ao povo argentino para torcer e amar as cores da seleção acima de tudo.

No Brasil, outra marca de cerveja, a Skol, veicula propagandas nas quais torcedores argentinos se tornam fãs da seleção brasileira após beber o produto.

Assista Vídeo:




Fonte: Gnotícias Related Posts with Thumbnails
Há Poder em Suas Palavras!
27 de Maio/Quinta Feira

Alguns, que me conhecem mais, devem estar pensando que enlouqueci! O Junior declarando isso ??!! Calma... Não é daquele “poder”que eu estou falando... Não daquele defendido no livro “Há Poder em Suas Palavras”, de Don Gosset (um dos maiores lixos editoriais que se tornou best-seller no meio evangélico, pra variar)... Não sou um Merlin, ou um Gandalf (acabei de ver “O Senhor dos Anéis”, ainda estou empolgado) que com seus abracadabras realizam proezas... Não saio por aí “decretando” coisas ou “ordenando” a Deus o que ele deve fazer... mas creio que há um certo poder nas palavras, e pretendo fazer de minha primeira crônica nesse novo ano um elogio ao poder das palavras, palavras mágicas, que encantam, decantam... palavras...

Palavras nos fazem odiar, amar, ter sentimentos nobres ou nem tanto... Por exemplo: alguns dos meus listers nunca me viram, não me conhecem, mas recebem meus mails e, por conseqüência, alguns já se consideram meus amigos, outros me acham um “revolucionário” (não sei o que pensam disso), alguns têm a certeza de que eu sou um herege, outros crêem que escrevo coisas “de Deus”, uns pedem pra eu mandar mais textos, outros pedem pra eu não mandar... tudo isso por causa das... palavras... entendem ??

As palavras muitas vezes nos fazem viajar. Já me apaixonei por palavras... Já fui atingido por palavras... palavras tem essa peculiaridade, mexem com a gente!!! Quantos já não sorriram ou choraram com palavras como: “eu te amo”, “eu não quero mais você”, “vamos namorar?”, “nasceu!!”, “você é feio”, “você é lindo”...

Alguém já disse que somos escravos das palavras que pronunciamos... eu digo que sim, realmente somos escravos das palavras pronunciadas e mais, somos enforcados por aquelas que escrevemos. Escrever não é fácil!! O que está escrito, escrito está!! Não há como mudar. Eu não posso negar daqui há algum tempo que escrevi estas palavras, elas já não me pertencem, pertencem agora a vocês, portanto faço um pedido: cuidem bem delas.

As palavras quando nos saem são como um parto, foram gestadas em nossa mente antes de tomarem esse corpo que chega pronto aos seus olhos.

Sou fascinado pelo poder das palavras! Não consigo fugir ao fascínio de vê-las escritas, reescritas. Tenho alma de escritor, isso está em mim, não há como mudar, vejo uma cena e o que me vem à mente ? Palavras, eis a resposta. Palavras para definir a cena, para poetiza-la, torna-la bela. Já repararam como um poeta consegue fazer bonito um amor perdido ? Como um grande escritor consegue nos fazer “entrar” na cena, viver o conteúdo do livro ? Saber domar as palavras, ao meu ver, é a maior das artes, pois elas são perigosas e doces ao mesmo tempo... Um “não” pode ter vários significados! Pode servir para negar um bem ou um mal, assim como um “sim” pode nos trazer algo bom ou nos levar à ruína...

A palavra é algo tão importante, que o próprio Jesus é chamado de Palavra, Verbo, Logos. Ele é a Palavra encarnada, tornada carne, gente. Palavra é ação, por mais que alguns assim não a vejam. Quem fala, age, interage. Um mundo sem palavras seria um mundo monótono. Pessoas que não falam nada me preocupam... estão sempre escondendo algo.

Mas aventurar no mundo das palavras é um risco, e um risco que gosto de correr. Quem lê muito pode ter seus conceitos sempre bombardeados, creio até que é por isso que não se deixa muito que o povo leia! Quem escreve corre um risco duplo. Além de se expor, corre o risco de ser mal interpretado, como já fui algumas vezes. Mas o que fazer ??? Se o risco é inevitável, que venham as críticas, até gosto delas, aprendo com algumas (sempre digo que não sei tudo, aliás, quanto mais leio mais vejo que nada sei), de outras tiro preciosas lições, outras me fazem rir, e como!! São palavras... doces e amargas palavras, mas são palavras.

Palavras são coisas ausentes tornadas presentes. Primeiro surgem na idéia, na imaginação, são ausência em si, desejo. O escritor deseja escrever, a idéia vem, não se sabe como, às vezes nem de onde vem, é algo ausente tomando corpo, é desejo sendo realizado, é filho sendo gerado. Palavras são o orgasmo da relação amorosa entre autor e papel, dão prazer, suor, cansaço e depois de tudo, a maravilhosa sensação de uma relação satisfatória.

Palavras são assim, são um mundo em si mesmas, podem ser o mundo de alguém, podem ser a máscara de outros ou a muralha de homens e mulheres que preferem se defender nelas. O que me faz lembrar as palavras de Fernando Pessoa:

“O poeta é um fingidor,
finge tão completamente,
que chega a fingir que é dor,
a dor que deveras sente.”

Assim são as palavras...

Um abraço carinhoso,

Autor: José Barbosa Junior

Fonte: http://www.crerepensar.com.br/ Related Posts with Thumbnails
Defensores de aborto iniciam guerra a Marina
27 de Maio/Quinta Feira

O contraste entre as crenças de Marina Silva e as bandeiras libertárias que inspiraram a criação do PV provocou uma primeira dissidência no partido. Militantes rasgaram as carteiras de filiados e criticaram a senadora evangélica por sua posição contrária ao aborto e a união civil dos gays. Mentor político de Marina Silva, arcebispo de Porto Velho diz que falta nela um perfil presidencial.

Com palavras de ordem contra a pré-candidata ao Planalto, um grupo de militantes rasgou suas carteirinhas de filiação e articula o lançamento do Partido Livre, dedicado à defesa das minorias e de direitos individuais.

Eles afirmam que a entrada da senadora, evangélica, fez o PV abandonar causas históricas como a legalização do aborto e a união civil de homossexuais.

“Sofremos um estupro ideológico”, queixa-se a presidente do futuro partido, Rose Losacco. “Ajudei a fundar o PV e não posso admitir que joguem seu programa no lixo por causa das crenças de uma pessoa”, diz.

Para receber Marina, os verdes criaram uma cláusula de consciência que permite a filiados se opor a itens do estatuto do partido por convicções religiosas.

Avalista da ideia, o presidente do partido, José Luiz Penna, é o principal alvo dos rebeldes. “Ele parece o Fidel Castro, não sai nunca do poder. Está usando até aquele bonezinho verde”, ataca Rose. “Hoje o PV apoia todos os governos. Virou um partido de aluguel”.

No cargo desde 1999, Penna não quis comentar as críticas e a criação da nova legenda.

A dissidência promove hoje seu primeiro encontro nacional, em Belo Horizonte. Vai anunciar apoio a Dilma Rousseff, do PT. A justificativa é que ela apoiaria as causas renegadas por Marina.

Os dissidentes dizem ter “quase 100 mil” assinaturas, bem menos que as 468 mil exigidas para fundar um partido. Apesar disso, fazem planos ambiciosos. “Vamos mostrar que o Livre veio para mudar a história do Brasil”, promete o vice-presidente Carlos Taborda”.

O grupo ainda não atraiu políticos com mandato, mas sonha com o ministro Juca Ferreira (Cultura), que se licenciou do PV para apoiar Dilma. Ele já recusou o convite.

Por enquanto, o maior desafio é escapar da sigla PL, usada pelo antigo Partido Liberal (atual PR). “Queremos cair fora dessa coisa de rótulos. A gente se considera livre”, diz Rose.

Esta semana, o PV sofreu outra baixa em protesto contra Marina. O presidente do Grupo Gay da Bahia, Marcelo Cerqueira, decidiu trocar o partido pelo PT. Em abril, um vereador verde de Alfenas (MG) acusou a senadora de se recusar a receber uma bandeira arco-íris.

Fonte: Folha de São Paulo / Gospel+ Related Posts with Thumbnails
3D pode fazer mal à visão?
26 de Maio/Quarta Feira

Espectadores vão ao cinema na espera de curtir um bom filme com uma infinidade de imagens saltando da tela. Mas, no lugar da satisfação que isso deveria causar, alguns sentem uma tremenda dor de cabeça e náuseas insuportáveis. Já aconteceu com você? Não se preocupe, várias pessoas já passaram pelo mesmo problema. O elevado número de pessoas reclamando de incômodos deste tipo tem feito alguns pesquisadores começarem a investigar os efeitos dos filmes 3D na visão.

De 2% a 3% das pessoas não enxergam filmes 3D.

Mas por que, afinal, há o incômodo relacionado às imagens em 3D? Ao olhar uma imagem em três dimensões na tela do cinema, o que você vê, na verdade, são duas imagens um pouco deslocadas horizontalmente uma da outra - o filtro nas lentes dos óculos faz com que cada olho capte uma delas. O cérebro une essas duas imagens em uma só, gerando a noção de profundidade. O mecanismo é o mesmo no dia a dia: os olhos se movimentam dentro da cavidade ocular. Eles vão um pouco para dentro ou para fora e as retinas se adaptam para que a mesma imagem esteja no centro. A isso chamamos de convergência - é esse o processo que nos dá a noção de profundidade.

A diferença entre a tela do cinema e a vida real, é que, quando observam objetos reais, seus olhos também se acomodam a uma diferença de foco, já que as imagens estão de fato a distâncias diferentes. No 3D essa distância é falsa - os objetos estão todos no mesmo plano, na tela. Por isso, pesquisadores acreditam que algumas pessoas podem ter problemas de ajustamento entre a acomodação e a convergência dos olhos.

“Os espectadores têm de focar a uma distância (aquela entre a tela e os olhos), mas convergir a outra (aquela em que os objetos 3D parecem estar). Isso deve ser a causa do desconforto. No 3D, a ligação natural entre convergência e acomodação está quebrada”, disse à Technology Review o professor optometria da Universidade da Califórnia, Martin Banks. Ele e sua equipe trabalham no desenvolvimento de um equipamento capaz de resolver esse problema. Esperam restaurar a defasagem com uma lente diante dos olhos que focaria os objetos da tela antes deles chegarem à retina.

Sobre a possibilidade de danos permanentes, o oftamologista e professor da Unifesp Augusto Paranhos tranquiliza. “A rigor, não existe nenhum distúrbio definitivo por assistir 3D demais. O que existe é um mal-estar momentâneo, que vai levar a pessoa a se sentir indisposta e parar de assistir”, diz. O desconforto, em sua opinião, funcionaria como uma espécie de proteção contra danos. “Não acredito que alguém vá continuar insistindo em algo que cause náuseas e dores de cabeça. A pessoa vai se sentir mal e parar de assistir 3D. O próprio mal-estar acaba limitando as conseqüências”.

Paranhos cita outras três situações em que o mal estar pode ocorrer e alguns passos que você deve seguir antes de se preocupar.

1) Se você estiver mal posicionado no cinema (ou diante do televisor), as imagens chegam aos seus olhos em um ângulo desfavorável. Troque de lugar.

2) Se você mudar de lugar e não adiantar, existe a possibilidade de o 3D ser mal feito. As imagens relativas ao olho esquerdo e ao olho direito devem estar levemente deslocadas horizontalmente uma da outra. Se houver qualquer tipo de desvio vertical, por menor que seja, seus olhos terão dificuldades de adaptação e você se sentirá mal. Desista do filme.

3) Se todo filme que assiste causar-lhe mal estar, talvez você tenha um probleminha de convergência nos olhos. Somente neste caso é preciso procurar um oftalmologista.

Fonte: http://revistagalileu.globo.com Related Posts with Thumbnails
Não Existe Super Crente
25 de Maio/Terça Feira

Se você é cristão concerteza já se deparou com aquele “irmão super santo” o cara se acha o melhor em tudo ele é o melhor cantor, seus conselhos são os melhores, tem a oração mas fervorosa de todas, suas mensagens são as únicas que vem de Deus e todos os outros irmãos não chegam aos pés da sua grande e imensa santidade. Bom eu já vi muitas pessoas assim dentro de igrejas e os nomeio de super crentes.

Tem sempre um super crente em todo lugar e o mais interessante nele é arrogância que faz parte da sua capacidade de superpoderes religiosos.
Eles não suportam o irmão que esta passando por dificuldade pos não tem a sua capacidade de vencedor, se algum irmão cair em pecado perto deste super crente ele logo é lançado ao inferno porque claro ele tem a brilhante capacidade de julgar a todos.

Muitas pessoas e lideres tem ensinado isso a suas igrejas que precisamos nos tornar super crentes, e isso gera no futuro uma depressão uma tristeza em muitas pessoas porque na primeira pequena ou grande falha que esta pessoa tem por causa do caráter humano que ainda a nela. Ela se sente pior do que um verme pos não conseguiu manter um padrão de santidade arrogante criado por ela própria e agora a vergonha do pecado do erro que já e terrível nessas pessoas é vergonha dupla.

Querido não existe o super crente. O que precisamos a cada dia é buscar uma santidade que nos faz estar mas perto de Deus e não uma santidade que nos faz sentir um homem superior a outros,
não a essa santidade de aparência de fala arrogante e sim a busca da santidade verdadeira que não e vista por homens, mas que nos faz ver Deus, a santidade que mostra que não existem super homens. Mas existe uma humanidade carente do amor e do agir de Deus. Sabendo que existem sim homens humildes que se santificam a Deus porque o amam, pela grandeza que tem e pela salvação que só ele pode dar.

Autor: Rodrigo Almeida Related Posts with Thumbnails
O Lápis
25 de Maio/Terça Feira

O menino olhava a avó escrevendo uma carta. A certa altura, perguntou:
- Você está escrevendo uma história que aconteceu conosco?

E por acaso, é uma história sobre mim? A avó parou a carta, sorriu, e comentou com o neto: --Estou escrevendo sobre você, é verdade. Entretanto, mais importante do que as palavras, é o lápis que estou usando. Gostaria que você fosse como ele, quando crescesse.

O menino olhou para o lápis, intrigado, e não viu nada de especial. --Mas ele é igual a todos os lápis que vi em minha vida! --Tudo depende do modo como você olha as coisas.

Há cinco qualidades nele que, se você conseguir mantê-las, será sempre uma pessoa em paz com o mundo.

a) Primeira qualidade: você pode fazer grandes coisas, mas não deve esquecer nunca que existe uma Mão que guia seus passos. Esta mão nós chamamos de Deus, e Ele deve sempre conduzi-lo em direção à Sua vontade".

b) Segunda qualidade: de vez em quando eu preciso parar o que estou escrevendo, e usar o apontador. Isso faz com que o lápis sofra um pouco, mas no final, ele está mais afiado. Portanto, saiba suportar algumas dores, porque elas o farão ser uma pessoa melhor."

c) Terceira qualidade: o lápis sempre permite que usemos uma borracha para apagar aquilo que estava errado. Entenda que corrigir uma coisa que fizemos não é necessariamente algo mau, mas algo importante para nos manter no caminho da justiça".

d) Quarta qualidade: o que realmente importa no lápis não é a madeira ou sua forma exterior, mas o grafite que está dentro. Portanto, sempre cuide daquilo que acontece dentro de você."

e) Finalmente, a quinta qualidade do lápis: ele sempre deixa uma marca. Da mesma maneira, saiba que tudo que você fizer na vida, irá deixar traços, e procure ser consciente de cada ação".

(Gálatas 6:17) - Desde agora ninguém me inquiete; porque trago no meu corpo as marcas do Senhor Jesus. Related Posts with Thumbnails
A perigosa arte de enganar
25 de Maio/Terça Feira

Alguns divertimentos infantis são universais. Um dos que mais gostávamos, e que nos entretinha muito, chamávamos de esconde-esconde. Consistia em esconder do restante dos amigos de tal maneira que ninguém conseguisse nos descobrir. Hoje, depois de crescido, surpreendo-me que essa brincadeira seja comum também entre os adultos. Aliás, parece que gente grande gosta mais de brincar de esconde-esconde que as crianças. Só que agora, o jogo é mais perigoso.

O poeta e a mentira
Mentimos, enganamos e dissimulamos. Criamos mecanismos que nos escondem de nós mesmos, do próximo e de Deus. Fernando Pessoa olhou para sua própria vida e não se reconheceu no que foi; escondera-se por detrás de máscaras e, corajoso, desabafou:

“Vivi, estudei, amei, e até cri,
E hoje, não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu...
Fiz de mim o que não soube,
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.”

Eduardo Giannetti, que escreveu um excelente livro com o título Auto-Engano (Companhia das Letras), comentou sobre esta poesia de Fernando Pessoa: “A experiência do poeta dramatiza e leva ao extremo uma possibilidade que é comum a todos: será minha esta vida?” Pessoa, de tanto dissimular, de tanto usar máscaras, já não se encontrava. Laconicamente, concluiu que não era quem sempre tentou ser, e agora não possuía mais forças para tentar ser outra pessoa. A máscara estava pegada à cara.

O autor do Eclesiastes buscou descobrir-se e, cansado, declarou: “Pelo que aborreci a vida, pois me foi penosa a obra que se faz debaixo do sol; sim, tudo é vaidade e correr atrás do vento” (2.17). Jeremias, também exausto de lidar com tantos engodos e artifícios de dissimulação, perguntou: “Enganoso é o coração, mais do que todas as coisas, e desesperadamente corrupto, quem o conhecerá?” (17.9).

A mentira e a história
Os artifícios da dissimulação e do auto-engano não acontecem somente nos indivíduos. Países como a União Soviética do expurgo stalinista, a Alemanha, durante a Segunda Guerra Mundial, e a Argentina do regime militar demonstram claramente que a arte da dissimulação pode ser globalizada.

O próprio cristianismo já sucumbiu várias vezes à mentira. Acreditava-se que as Cruzadas eram legítimos esforços para resgatar os monumentos cristãos. Hoje, sabe-se que haviam outros interesses por detrás daquelas empreitadas malucas. O mesmo pode ser dito da Inquisição, da terrível perseguição que os anabatistas e pietistas sofreram na Europa, e assim por diante. Matou-se muito em nome de Deus.

Quando houve eleição para a última constituinte, mentiu-se. Várias igrejas acreditaram na versão enganosa de alguns candidatos evangélicos: haveria uma conspiração católica para aprovar uma Constituição discrimi-natória, favorecendo a Igreja de Roma. Depois, na eleição para presidente, ouviu-se que determinado candidato mandaria fechar igrejas e reinstituir o comunismo no Brasil. Os evangélicos votaram maciçamente naquele que acabou eleito. As conseqüências dessa mentira quase levaram o país a um impasse institucional, com o impeachment do presidente da República.

Fugindo do engano
Há meios de nos salvaguardarmos do auto-engano pessoal ou coletivo. Permitam-me algumas pistas:

Necessitamos de uma idéia menos divina e mais humana de nós mesmos. A pregação evangélica desses últimos dias vem tão repleta de arroubos triunfalistas, que um novo cristão pensa nunca ter um revés em sua vida. Doenças, desempregos, tristezas, mortes prematuras e inúmeros desapontamentos são varridos para debaixo do tapete religioso, levando as pessoas a viverem uma farsa: os crentes estão imunes ao sofrimento. Com adesivos nos vidros dos automóveis, caixinhas de promessas com versículos fora de contexto e sermões superficiais, vai se disseminando uma mensagem cristã distorcida. As igrejas já não têm espaço para os que sofrem, faltam-lhes a mensagem de consolo. Despreza-se que doenças, pobreza, mortes prematuras participam dos relatos bíblicos e da vida dos seus personagens em proporção maior que curas, riqueza e arrebatamentos espirituais. Oxalá as igrejas evangélicas não se esquecessem de que na conversão não nos tornamos anjos, apenas pecadores justificados pela graça. Pensar o contrário é enganar-se diante de um espelho torto.

Necessitamos rever nosso conceito de fé. Ele também pode gerar auto-engano. Proponho que, antes de ser uma força dirigida a Deus, que o impulsiona a fazer aquilo em que estaria hesitante, fé deve ser entendida como uma confiança inabalável em seu caráter. Essa noção de fé como um poder gera o sentimento errado de que algumas pessoas têm uma oração mais poderosa que a de outras. Crentes juram que alcançaram respostas às suas petições porque receberam a “oração forte” de algum líder religioso. Isso gera uma espiritualidade que busca a Deus para aumentar a força da fé, nunca para ter maior intimidade com Ele. Enganam-se os que pensam ter maior cacife espiritual porque conseguiram arrancar de Deus um maior número de respostas aos seus pedidos. Multidões se iludem com a possibilidade de que, se aprenderem a fórmula correta de se dirigir a Deus, vão galgar maior poder espiritual.

Há conseqüências desastrosas em acreditar-se mais “espiritual” que os demais. Além de ofender a Deus, promover um messianismo patético, isoo gera uma espiritualidade utilitária. Deus passa a ser apenas um meio, uma força domesticada. Isso confirma a ilusão luciferiana do Éden: “somos deuses. Podemos induzir a divindade a agir de acordo com nossos desejos”.

Quem está de pé...
Por último, não podemos acreditar que erros, heresias e muita incoerência só aconteceram no passado. Criticamos os acontecimentos vergonhosos da Igreja em séculos passados e não aceitamos que podemos cometer deslizes tão feios quanto aqueles. A falsa noção de que possuímos uma revelação mais elevada que a de Pedro, Paulo e alguns dos pais apostólicos pode ser letal. Se a soberba precede a queda, achar que nos encontramos acima do fracasso já nos faz vulneráveis a ele — quem está em pé, veja que não caia. Não somos os escolhidos da última hora nem temos uma graça incomum. O perigo de sermos jogados na outra extremidade da decepção e do imobilismo é grande, já que ninguém consegue evitar o tropeço. E se não estivermos preparados para nossos próprios fracassos, nos afogaremos no oceano da culpa e auto-comiseração. Giannetti nos adverte: “Quando o mar encrespa e o céu interno fecha, a inflação moral pode virar forte deflação. O estado depressivo da mente leva um homem a ficar privado daquele modicum de boa vontade, apreço e respeito por si mesmo que torna a consciência de si aprazível. O deprimido vive como um pária na sarjeta de sua convivência interna [‘Não há mendigo que eu não inveje só por não ser eu’], e sua mente é capaz de dar crédito sincero às mais sombrias e dolorosas recriminações e confabulações íntimas acerca de si.” O refluxo de tanto ufanismo pode, no futuro, causar uma enorme depressão.

O salmista perguntou: “Quem há que possa discernir as próprias faltas?” (19.12). Também pediu: “Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração: prova-me e conhece os meus pensamentos; vê se há em mim algum caminho mau, e guia-me pelo caminho eterno” (139.23-24). Percebe-se que os mecanismos de auto-engano e da dissimulação são muito sutis. Portanto, esvaziemo-nos de nossa auto-suficiência. Busquemos a verdadeira renovação espiritual, promovida pelo Espírito Santo. Só Ele esquadrinha o coração, prova os pensamentos, e dá a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto de suas ações.

A Igreja evangélica necessita de uma nova Reforma. Desçamos de qualquer pedestal da arrogância e da auto-suficiência, e deixemos que a luz perscrutadora do Espírito penetre em todas as câmaras de nosso viver. Só assim poderemos nos imaginar noiva do Cordeiro, sem ruga e sem mácula.

Soli Deo Gloria.
Autor: Ricardo Gondim


Fonte: http://www.ultimato.com.br Related Posts with Thumbnails
Críticas a lista do Dunga!
24 de Maio/Segunda Feira



Fonte: http://jasielbotelho.blogspot.com Related Posts with Thumbnails
A Palavra Com Arte
24 de Maio/Segunda Feira

Eu buscava nos outros uma segurança impossível de achar, pois só a encontraria em Deus. Foi preciso muita luta, muito caminho entre medo, lágrima e solidão, até encontrá-la. Mas foi justamente na fraqueza que me tornei forte! Inútil procurar segurança fora de Deus. É em Deus, e dentro de nós que ela se esconde. Um dia eu a descobri em pedaços de mim, arrancados de minha melhor parte. A partir daí tudo começou a mudar. Embora sentisse falta de certas presenças caras, estava fortalecida. Em lugar de buscar paixão e devoção, passei a procurar contato nos pontos afins, entre mim e outras pessoas; ou dádiva, naqueles aspectos nos quais elas eram fortes e eu fraca — e vice-versa. Dessa maneira descobri uma forma maravilhosa de enriquecer-me e enriquecer outros.

Hoje só acredito em ligações reais, conquistadas mediante contatos verdadeiros, não imaginários; não fruto de fugaz delírio e emoção. Desisti da paixão que cega, do amor pelo amor, da amizade pela amizade. Passei a acreditar ser difícil amar alguém pelo fator atração simplesmente; as afeições precisavam ter um mínimo de troca: talvez a fraqueza pela força, a tristeza pela alegria, a abulia e a indiferença pelo interesse e o entusiasmo; a frouxidão e a lassidão pela esperança e o vigor. Com a troca eu me enriqueceria; e enriqueceria outros. Ao dar eu me abasteceria, generosamente! As janelas do céu se abririam para mim, como está prometido em Malaquias.

Pobres dos que vivem uma existência encaramujada, fechada, entregue a si mesma, sem osmose, sem presente, sem amor, sem crescimento! Vão morrendo em lenta apatia, pobreza e solidão.

Vida é encontro; é descoberta; é comunhão! Comunhão descosida, dadivosa, solta, exuberante!

Dedicado à minha filha Susana

Autor: Allinges Mafra é autora do livro "Vida e poesia em Davi e Jó", entre outros


Fonte: http://www.ultimato.com.br Related Posts with Thumbnails
O teste da banheira
23 de Maio/Domingo

Durante a visita a um hospital psiquiátrico, um dos visitantes perguntou ao diretor: - Qual é o critério pelo qual vocês decidem quem precisa ser hospitalizado aqui?

Respondeu o diretor: - Nós enchemos uma banheira com água e oferecemos ao doente uma colher, um copo e um balde e pedimos que a esvazie.

De acordo com a forma que ele decida realizar a missão, nós decidimos se o hospitalizamos ou não.

- Entendi - disse o visitante - uma pessoa normal usaria o balde, que é maior que o copo e a colher.

- Não - respondeu o diretor - uma pessoa normal tiraria a tampa do ralo. O que o senhor prefere? Quarto particular ou enfermaria?

Dedicado a todos que escolheram o balde.

A vida tem muito mais opções...

E muitas vezes são tão óbvias como o ralo, só falta enxergarmos. Related Posts with Thumbnails
Jogador do Inter glorifica a Deus na pancadaria
22 de Maio/Sábado

Na Argentina, o futebol brasileiro foi derrotado na noite desta quinta-feira, mas deixou o campo vitorioso. O Inter perdeu para o Estudiantes por 2 a 1 no estádio Centenário (Quilmes), mas graças ao gol marcado pelo reserva Guiliano aos 43 minutos do segundo tempo, garantiu a classificação para as semifinais da Taça Libertadores. No jogo de ida, há uma semana, no Beira-Rio, o time gaúcho venceu por 1 a 0.

Com o resultado, o Brasil tem presença assegurada na decisão da Libertadores-2010. Inter e São Paulo vão se enfrentar por uma das vagas na final. Os confrontos entre os clubes que decidiram o título em 2006 serão realizados em 28 de julho (Beira-Rio) e 4 de agosto (Morumbi). Curiosamente, as duas equipes duelam no próximo domingo, em Porto Alegre, pelo Campeonato Brasileiro.

Após o final do jogo os jogadores do Estudiantes ficaram revoltados com a derrota e começaram a brigar com os jogadores do Inter. No meio dessa confusão, o jogador Giuliano dava entrevista e fez questão de glorificar a Deus pelo gol salvador a dois minutos do final.

Confira como foi...



Fonte: http://www.ogalileo.com.br/ Related Posts with Thumbnails
China pede ajuda aos grupos religiosos
21 de Maio/Sexta Feira

O governo chinês, oficialmente ateísta, pediu aos grupos religiosos e às pessoas de fé para ajudar nos esforços de reconstrução da província no Noroeste da China, devastada por um terremoto.


Em uma carta aberta publicada em site oficial, a Administração do Estado da China para os Assuntos Religiosos pediu à comunidade religiosa doações para a reconstrução da área Tibetana de Yushu, na província de Qinghai, que foi devastada por um terremoto de magnitude 7,1, em 14 de abril.

Pelo menos 2,2 mil pessoas foram mortas, mais de 12 mil foram feridos e mais de 100 mil ficaram desabrigadas pelo terremoto em Yushu.

Segundo a carta, a comunidade religiosa já doou mais de US$ 12,7 mil para a área atingida pelo terremoto. O departamento de assuntos religiosos espera que os líderes e crentes individuais façam mais doações.

A carta também agradeceu as orações e esforços de assistência imediata realizada por organizações religiosas.

As autoridades chinesas disseram na semana passada que espera que a obra de reconstrução do Yushu seja concluída em três anos, segundo a Xinhua, a agência de notícias estatal.

Desde abril, grupos de ajuda humanitária cristãos têm trabalhado para distribuir itens de necessidade imediata, como alimentos, abrigo e roupas para as vítimas.

Nos últimos anos, a China tem sido em geral mais receptiva à religião na sociedade, apesar dos problemas em curso com a liberdade religiosa.

O diretor-geral da Administração Estatal para Assuntos Religiosos, Ye Xiaowen, reconheceu em 2007 que o número de seguidores religiosos chineses, incluindo os cristãos, tem crescido. Ele também alegou que, em vez de esmagar as religiões, o partido comunista chinês incentivará a religião a desempenhar um papel positivo “na promoção do desenvolvimento econômico e social” no futuro.

Um artigo recente no jornal estatal China Daily indica que o governo está se abrindo para a religião na praça pública. O artigo, publicado em março, deu detalhes de como um estudante de 22 anos em Pequim se converteu ao cristianismo, enquanto tentava descobrir o sentido da vida.

Notavelmente, o estudante foi relatado por frequentar uma igreja de 700 membros, em Pequim, apesar de não haver registros no governo – as igrejas são ilegais na China. Os cidadãos só são autorizados a adoração em instituições religiosas aprovadas pelos órgãos criados por religiosos da China de Macau.

Para os cristãos protestantes, isso significa cultuar em igrejas afiliadas com o Three-Self Patriotic Movement e Christian China Conselho.

Apesar de progressos da China na liberdade religiosa, grupos de direitos humanos ainda informam regularmente a perseguição dos cristãos das igrejas domésticas. Organizações de direitos humanos afirmam que a China tem um longo caminho a percorrer no seu respeito pela liberdade religios.

Fonte: CPAD News / Gospel + Related Posts with Thumbnails
Quem casa quer casar
21 de Maio/Sexta Feira



Fonte: http://revistagalileu.globo.com/ Related Posts with Thumbnails
Sobre "Vencer a Nós Mesmos"
20 de Maio/Quinta Feira

A luta contra o pecado, em nós, não é exatamente uma luta contra a nossa própria natureza. Não é batalha contra a essência do nosso "eu". Ah! graças ao Senhor Deus, não é. E a razão disso é porque quando nascemos de novo temos uma nova natureza. Temos a própria Vida de Deus em nossas almas, somos feitos participantes da Natureza Divina, somos enxertados em Cristo. Maravilha das maravilhas!

O que temos que vencer em nós são os restos de pecado que ainda tentam se apossar de nosso corpo e da nossa mente. Isso é um estorvo, um triste aborrecimento com o qual conviveremos enquanto estivermos nesse corpo mortal. Mas, graças a Jesus, os pecados contra os quais temos que lutar já estão perdoados, encobertos, punidos! Isto é assombrosamente glorioso!! Lutar como pecadores justificados, aí está a garantia de nossa vitória.

"Mil vezes mil louvores rendamos a Jesus."

Fonte: http://steniomarcius.blogspot.com Related Posts with Thumbnails
Novos rins nascem e salvam menina
20 de Maio/Quinta Feira

Uma menina de Louth (Inglaterra) deixou a comunidade médica de boca aberta. Angel Burton, que estava à beira da falência dos rins, conseguiu algo impensável: dois novos rins cresceram dentro dela.

Aos 5 anos, Angel (nome bem apropriado?) foi submetida a uma cirurgia por causa das infecções renais que a acompanhavam desde o nascimento. Foi quando os médicos de um hospital de Sheffield descobriram que a menina tinha quatro órgãos - os dois novos rins estavam crescendo sobre os falidos. Três anos após, os novos rins assumiram a função dos problemáticos e a Angel foi declarada curada.

Para a família, não há dúvida: Angel, aos 8 anos, foi salva por um milagre. ''É absolutamente incrível que nenhum dos exames tenha detectado os rins extras. Estamos tão gratos por Angel voltar à felicidade e à saúde”, disse Claire Burton, mãe da menina. “Agora, ela (Angel) pode esquecer que tem estado doente.”

De acordo com os médicos, os rins duplex se fundiram nas suas metades e têm ureteres totalmente independentes.

Fonte: http://www.ogalileo.com.br Related Posts with Thumbnails
O Medo de Amar é o Medo de Ser Livre
19 de Maio/Quarta Feira

O título não é original. É uma linda música de Beto Guedes e Fernando Brant. Mas quanta verdade em tão poucas palavras!!!

Outra música, imortalizada por Amelinha, fala que “foi Deus que fez a gente somente para amar”. Creio nisso!! Creio no amor!! Mas não é fácil...

Não falo só de amor entre homem e mulher, mas amor por amor... amor que faz a gente ser feliz. Amor que nos faz deitar e ter um sono leve... tranqüilo... é desse amor que falo!!!

Ainda que eu falasse a língua dos homens e dos anjos, se não tivesse amor... Ainda que profetizasse, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, se não tivesse amor... Ainda que tivesse toda a fé e ainda que distribuísse todos os meus bens para sustento dos pobres, se não tivesse amor... e mais, ainda que morresse pelo outro, se isso não fosse motivado pelo verdadeiro amor... de nada valeria, de nada mesmo!!!

Mas como amar de verdade, se carregamos em nós históricos que nos afastam do amor ? Como vivermos esse amor de verdade quando há tanto desamor ? E o que é mais sério, como amar de verdade, se o amor nos leva à liberdade e às vezes queremos permanecer presos ?

Sim!! Isso mesmo!! Ser livre exige responsabilidade, exige pensar por si mesmo, exige libertar-se de toda história de vida que nos é, ao mesmo tempo, inerente e tão aterradora, nos é imposta e ao mesmo tempo nos protege numa falsa impressão de segurança, pois ali ninguém nos fere, até porque é impossível ferir alguém fechado em uma redoma.

Creio firmemente que o maior problema para que amemos de verdade está no fato de que amar traz em seu “pacote” o dar-se...e dar-se pode nos causar dores que nos parecem irreparáveis... dar-se pode fazer com que o objeto do amor simplesmente passe por cima de nossos sentimentos sem sermos reconhecidos por tal amor. Mas o amor verdadeiro não busca reconhecimento, daí entrarmos em outro ponto: não sabemos amar!!!

Não é à toa que uma das mais belas poesias sobre o amor que se foi escrita (I Coríntios 13) diz que o amor é sofredor... é bom... não é invejoso... não se “acha”... não busca seus próprios interesses (tão diferente dos conselhos Lairribeirianos e Paulocoelhianos)... não se irrita.... não suspeita mal... ESSE AMOR JAMAIS ACABA !!!!

Outro maravilhoso texto... de Camões, diz que “amor é fogo que arde sem se ver... e ferida que dói e não se sente... é um contentamento descontente... e dor que desatina sem doer...” Sei que vocês devem estar lembrando da música do Legião Urbana, que une essas duas poesias em uma linda melodia... pois eu também estou lembrando dela agora...

O medo de amar é o medo de ser livre!!! É o medo de ter que se ver a realidade de um sentimento brotando e não ter como detê-lo... é o medo de ter que se dar sem esperar algo em troca, numa sociedade cada vez mais “escambolizada” (perdoem-me o neologismo)... é o medo de que a liberdade nos faça realmente pessoas boas, que não queremos ser!!

Amemos!! Amemos sem medo... amemos os amigos... amemos os inimigos... amemos-nos homens e mulheres, como homens e mulheres... amemos sem medo de machucar-nos, pois isso é algo que pode acontecer... ou não!!!

Percamos o medo de amar... percamos o medo de sermos livres... vivamos para a liberdade... vivamos para o amor... amemos não só de palavras, mas de gestos. Amor que não se traduz em gestos não é amor!! Um belo e antigo poema diz que: “O sino não é sino enquanto não soar... a música não é música enquanto não for tocada... o amor não é amor enquanto não for dedicado a alguém!!”

Amemos, não só de palavras... olhemos nos olhos um dos outros... os olhos...ah! os olhos... janelas da alma... quando amamos queremos olhar nos olhos... e deixar que eles falem... que eles digam o que as palavras calam quando o amor nos invade e verdadeiramente somos livres!!!

Com amor,

Autor: José Barbosa Junior

Fonte: http://www.crerepensar.com.br Related Posts with Thumbnails
O Crente Aranha
18 de Maio/Terça Feira

Meu primeiro contato com o gibi do “homem aranha” foi espantoso. Eu devia ter uns 10 anos de idade quando meu primo Eduardo (in memoriam), me mostra um exemplar do gibi do aranha. Como já disse fiquei assustado com o gibi, acostumado somente a ler “turma da Mônica” toda dinâmica e a ação dos quadrinhos me fizeram ficar impressionado e nunca, mas me esqueci deste dia marcante para minha pequena mente em desenvolvimento.

Não tinha condições de comprar gibi, o dinheiro da mesada que já era pouco sempre estava destinado todo ele para álbuns de figurinhas e times de botão. O tempo passou e no final da adolescência colecionei uns dois anos de gibi do “homem aranha” e logo depois veio a massificação do herói com o lançamento do filme para o cinema.

E foi assistindo o primeiro filme que percebi que muitos crentes lembram o homem aracnídeo, não por ele ser um personagem que daria um ótimo paciente para psicólogos com tanto conflito que vive na sua vida normal ou na vida de super herói. Mas a semelhança é na facilidade e rapidez que o “homem aranha” consegue pular de um prédio para outro.

E é dessa maneira que vivem muitas pessoas nas igrejas nos dias de hoje. Pessoas que tem a rapidez e a extrema facilidade de pular de igreja em igreja, pessoas que não conseguem plantar raiz num lugar, criar laços e formar uma unidade. Porque sempre que suas vontades são contrariadas logo fazem biquinho e procuram um novo prédio para jogar suas teias, ai você pensa que ali eles vão criar raiz de comunhão, mas quando levam a primeira pisada no calo suas teias já estão direcionadas para outro alvo. Assim elas vão tendo uma vida cristã de “crente aranha” e vão se tornando pessoas sem alicerce e conteúdo nenhum.

Sabemos que grande parte desta culpa é da maioria das igrejas de hoje que parecem mais um Mcdonalds do que um lugar de ensino e comunhão e com isso se forma “crente aranha” em todo lugar.

Autor: Rodrigo Almeida Related Posts with Thumbnails
12 Qualidades do Líder Jovem
17 de Maio/Segunda Feira

Todo jovem que deseja fazer a obra de Deus deverá buscar estas qualidades em oração até que cada uma delas sejam geradas pelo Espírito Santo no seu interior. Tornando-se assim, uma realidade em sua vida. Uma observação se faz importante aqui: O Espírito Santo trará uma profunda crise, até que estas qualidades sejam geradas no interior de cada jovem, que ardentemente desejar estas qualidades impressas em seu interior, em seu caráter.



1º - O Jovem Líder deve ser: Transparente


Nada melhor do que nos relacionarmos com jovens transparentes. Esta é a marca de alguém que tem vencido o orgulho e a necessidade de ser aceito. Jovens transparentes, são jovens livres; mais ainda, refletem segurança nos relacionamentos.

2º - O Jovem Líder deve ser: Ensinavel

Jovens arrogantes e sabichões nunca aprendem nada. Se existe algo que nós jovens devemos aprender nestes dias, é a capacidade de sermos ensináveis. Disponibilidade para inclinar os ouvidos e o coração para ser ensinado, é um bom sinal.

3º - O Jovem Líder deve ser: Submisso

Uma das estratégias de Satanás na vida do jovem é fazê-lo rebelde e insubmisso. Submissão não é prisão, é liberdade. Submissão é uma dos segredos de uma vida longa, próspera e cheia de frutos. Jovens submissos às autoridades são jovens prevalecentes.

4º - O Jovem Líder deve ser: Tratável


É difícil conviver com alguém duro, resistente e cheio de razão. Jovens intratáveis nunca erram, estão sempre com a razão, justificam-se sempre e finalmente, nunca terão o caráter transformado. Afinal, são intratáveis. Aqueles que têm o coração amolecido por Deus se deixam tratar e se tornam grandes líderes na casa de Deus.

5º - O Jovem Líder deve ser: Humilde

Qualidade marcante de quem possui uma vida rendida diante do Senhor Jesus. Para estes não há lugar para o orgulho ou a soberba. Só há lugar para um coração despojado, entregue, rasgado diante do altar de Deus. Jovens com um coração humilde expressam a vida de Jesus.

6º - O Jovem Líder deve ser: Manso


Jesus disse que devemos aprender d'Ele, que é manso e humilde de coração, pois só assim encontraremos descanso para nossas almas. A humildade e a mansidão nos fazem ser semelhantes a Jesus, e traz descanso a nossa alma.

7º - O Jovem Líder deve ser: Cheio do Espírito Santo

Não pode ser cheio de si mesmo. Cheio de idéias e conceitos próprios. Deve ser cheio do Espírito. Na Bíblia, um dos símbolos do Espírito Santo é o vinho, símbolo de alegria e de vida. Assim os líderes jovens devem ser reconhecidos: cheios de alegria e cheios de muita vida de Deus - este é o nosso combustível ministerial.

8º - O Jovem Líder deve ser: Determinado


A determinação é um fator predominante na vida daqueles que querem vencer. Determinação é um ato da nossa vontade. Jovens de vontade livre terão mais facilidade para desenvolver esta qualidade.

9º - O Jovem Líder deve ser: Fervoroso


Este é o ingrediente que dá brilho ao ministério do jovem líder. Chega a ser empolgante observar alguns jovens no desenvolver de seu ministério. Há uma diferença entre um líder frio, um morno e outro fervoroso. O frio traz desânimo consigo, o morno não influencia em nada, enquanto que o fervoroso faz toda a diferença.

10º - O Jovem Líder deve ser: Motivado

Como é bom ter líderes motivados na igreja, e como é bom estar ao lado deles. Eles nos impulsionam a seguir em frente e vencer. Na verdade, a motivação do líder é responsável por 50% do êxito de seu ministério. Líderes motivados tem o crescimento desobstruído.

11º - O Jovem Líder deve ser: Disposto

Nada mais chato que tratar com pessoas indispostas. Geralmente não produzem nada, e tem a capacidade de influenciar negativamente, com sua indisposição, os que se mostram dispostos. Disposição é uma qualidade importante na liderança.

12º - O Jovem Líder deve ser: Ousado

E para finalizar, a bendita ousadia que nos conduz onde quer que o Senhor nos conduza. Uma pequena direção dada por Deus no nosso Espírito, nos fará avançar e prosperar naquilo para qual fomos dirigidos, sem qualquer dúvida, questionamento ou sentimento de incapacidade. O jovem líder que desenvolve esta qualidade, avança, prospera e supera suas próprias limitações.

Minha sincera oração, é para que o Senhor gere em nosso espírito um desejo e necessidade ardentes por estas qualidades em nossa vida. Amém


Fonte: http://www.gospeljovens.com.br Related Posts with Thumbnails
Pastor é agredido em conferência cristã
17 de Maio/Segunda Feira

India – Quando o pastor Joshua, do distrito de Khammam, que havia sido convidado pelo pastor Daniel como palestrante em uma conferência de três dias no vilarejo de Kottur, estava falando aos cristãos no dia 29 de abril de 2010, um grupo ligado ao Rashtriya Swayamsevak Sangh atacou o local. Eles agrediram o pastor Daniel e depois danificaram a mobília e o sistema de áudio e vídeo. Apesar de a polícia ter chegado logo ao local, ela não fez nada para impedir as agressões.


No dia seguinte, os agressores foram até a casa do pastor Daniel e o agrediram. Os homens ordenaram que ele não realizasse nenhuma atividade cristã na região.

Fonte: Missão Portas Abertas / Gospel+ Related Posts with Thumbnails
Igrejas também morrem
16 de Maio/Domingo

Na Inglaterra, entrei em um salão de "snooker" sentindo náuseas. A vertigem que invadiu meu corpo foi diferente de tudo que já sentira antes. As mesas verdes espalhadas pelo largo espaço lembravam-me um necrotério. Eu explico o porquê. Aquele salão havia sido a nave de uma igreja, que definhou através dos anos, até ser vendido. O pastor que me levou nessa insólita visita relatou que na Inglaterra há um grande número de igrejas que morreram lentamente. Devido aos altos custos de manutenção, só restava ao remanescente negociá-las. Os maiores compradores, segundo ele, são os muçulmanos, donos de lojas de antiguidades e, infelizmente, de bares e boates. Vendo o púlpito talhado em pedra com inscrições de textos bíblicos — "Pregamos a Cristo crucificado"; "O sangue de Cristo nos purifica de todo pecado" —, voltei no tempo e lembrei-me de que aquela igreja, fundada durante o avivamento wesleyano, já fora um espaço de muita vitalidade espiritual. As placas de granito e mármore, ainda fixadas nas paredes, mostravam que naquele altar — então balcão do bar — pregaram pastores e missionários ilustres. Imaginei aquele grande espaço, hoje cheio de homens vazios, lotado de pessoas ansiosas por participarem do mover de Deus que varria toda a Inglaterra. Perguntei a mim mesmo: "o que levou essa congregação a morrer de forma tão patética?". Nesses meus solilóquios, pensei no Brasil.

Semelhantemente ao avivamento wesleyano, experimentamos um crescimento numérico nas igrejas brasileiras. Há uma efervescência religiosa em nosso país. As periferias das grandes cidades estão apinhadas de templos evangélicos, todos repletos. Grandes denominações compram estações de rádio e televisão. Cantores evangélicos gravam e vendem muitos CD's. Publicam-se revistas e livros. Comercializam-se bugigangas religiosas nas várias livrarias, que também se multiplicam, interligadas pelo sistema de franquias. Por outro lado, diferentemente do que aconteceu na Inglaterra, o despertamento religioso brasileiro tem uma consistência doutrinária rala, demonstra pouca preocupação ética e um mínimo de impacto social.

Os desdobramentos destas constatações são preocupantes. Se, com toda a firmeza doutrinária, ética e disciplina anglo-saxônica, aquelas igrejas morreram, o mesmo pode acontecer no Brasil? Infelizmente sim. As razões que implodiram inúmeras congregações européias obviamente são diferentes. Lá, houve um forte movimento anticlerical motivado pela secularização do Estado e das universidades. A teologia liberal minou o ânimo evangelístico e os processos de institucionalização do que era apenas um movimento jogaram a última pá de cal nos sonhos dos antigos avivalistas ingleses.

Quais os perigos que ameaçam o futuro do movimento evangélico brasileiro? Alguns já se mostram de forma exuberante.

A trivialização do sagrado
Visitar qualquer igreja evangélica no Brasil é oportunidade para perceber uma forte tendência teológica e litúrgica na busca de uma divindade que se molde aos contornos teológicos dessa igreja e que ofereça apoio aos anseios e caprichos pessoais. Faltam temor e espanto diante de Deus. O único medo é o do pastor: de que a oferta não cubra as despesas e os seus planos de expansão. A cultura evangélica nacional está fomentando uma atitude muito displicente quanto ao sagrado. O deus que está a serviço de seu povo para lhes cumprir todos os desejos certamente não é o Deus da exortação de Hebreus 12.28-29: "Por isso, recebendo nós um reino inabalável, retenhamos a graça, pela qual sirvamos a Deus de modo agradável, com reverência e santo temor; porque o nosso Deus é fogo consumidor". O tom de voz exigente e determinante como se fala com Deus hoje deixa a dúvida quanto a quem é o senhor de quem. As experiências que só geram arrepios pelo corpo são relatadas como se Deus fosse apenas um estimulante químico. Certos pastores dizem falar e ouvir a voz de Deus — para serem contraditos pela suas próprias falsas profecias — sem levar em conta que "Deus não terá por inocente aquele que tomar o seu nome em vão". Os milagres, aumentados pela manipulação, revelam uma falta de temor. O descaso com o sagrado é uma faca de dois gumes. Se, por um lado, demonstra grande familiaridade, por outro, gera complacência. Complacência e enfado são sinônimos entre si. Se nos acostumarmos com o mistério de Deus e trivializarmos sua presença, acabaremos colocando-o na mesma categoria de nossos encontros mais corriqueiros, daqueles que podem ser adiados ou não, dependendo de nossas conveniências. Acabaremos entediados de Deus.

O esvaziamento dos conteúdos

Uma das marcas mais patéticas do tempo em que vivemos é a repetição maçante de jargões nos púlpitos evangélicos. Frases de efeito são copiadas e multiplicadas nos sermões. Algumas, vazias de conteúdo, criam êxtases sem nenhum desdobramento. Servem para esconder o despreparo teológico e a falta de esmero ministerial. Manipulam-se os auditórios, eleva-se a temperatura emotiva dos cultos, mas não se cria um enraizamento de princípios. Gera-se um falso júbilo, mas não se fornecem ferramentas para criar convicções espirituais. Hannah Arendet, filósofa do século XX, ao comentar sobre o fato de que Eichmann, nazista, braço direito de Hitler, respondeu com evasivas às interrogações do tribunal de guerra que o julgava sobre seus crimes, afirmou: "Clichês, frases feitas, adesões a condutas e códigos de expressão convencionais e padronizados têm a função socialmente reconhecida de nos proteger da realidade, ou seja, da exigência de atenção do pensamento feita por todos os fatos e acontecimentos".

Qual será o futuro dessa geração que se contenta com um papagaiar contínuo de frases ocas que só prometem prosperidade, vitória sobre demônios e triunfo na vida?

A mistura de meios e fins
Por anos, combateu-se a idéia de que os fins justificavam os meios, porque essa premissa justificava comportamentos aéticos. Hoje, o problema aprofundou-se. Não se sabe mais o que é meio e o que é fim. Não se sabe mais se a igreja existe para levantar dinheiro ou se o dinheiro existe para dar continuidade à igreja. Canta-se para louvar a Deus ou para entretenimento do povo? Publicam-se livros como negócio ou para divulgar uma idéia? Os programas de televisão visam popularizar determinado ministério ou a proclamação da mensagem? As respostas a essas perguntas não são facilmente encontradas. Cristo não virou as mesas dos cambistas no templo simplesmente porque eles pretendiam prestar um serviço aos peregrinos que vinham adorar no templo. Ele detectou que os meios e os fins estavam confusos e que já não se discernia com clareza se o templo existia para mercadejar ou se mercadejava para ajudar no culto. A obsessão por dinheiro, a corrida desenfreada por fama e prestígio e a paixão por títulos revelam que muitas igrejas já não sabem se existem para faturar. Muitos líderes já não gastam suas energias buscando um auditório que os ouça, mas procuram uma mensagem que segure o seu auditório. A confusão de meios e fins mata igrejas por asfixia.

O livro do Apocalipse mantém a advertência, muitas vezes desapercebida, de que igrejas morrem. As sete igrejas ali mencionadas — inclusive a irrepreensível Filadélfia — acabaram-se. Resumem-se a meros registros históricos. Não podemos achar abrigo na promessa de Mateus 16 — de que as portas do inferno não prevalecerão contra a igreja — para justificar qualquer irresponsabilidade. O livro do Apocalipse adverte: "Lembra-te, pois, de onde caíste arrepende-te, e volta à prática das primeiras obras; e se não, venho a ti e moverei do seu lugar o teu candeeiro, caso não te arrependas" (Ap 2.5).

Crescer numericamente não imuniza a igreja de perigos. Pelo contrário, torna-a mais vulnerável. Resta perguntar: Será que agora, famosos e numericamente profusos, não estamos precisando de profetas? Será que o tão propalado avivamento evangélico brasileiro não necessita de uma Reforma? Aprendamos com a história. Um pequeno desvio hoje pode tornar-se um abismo amanhã. Imaginar que podemos condenar nossas igrejas a se tornarem bares de "snooker" é um sonho horrível. Porém, se não fizermos algo, esse pesadelo pode se tornar realidade. Que Deus nos ajude.

Soli Deo Gloria.
Autor: Ricardo Gondim


Fonte: http://www.ultimato.com.br Related Posts with Thumbnails
Silas sai da CGADB em paz!
16 de Maio/Domingo

O Pastor Silas Malafaia, vice-presidente da CGADB – Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil, anunciou em seu programa televisivo Vitória em Cristo, na manhã de ontem, transmitido pela Rede TV, sua renúncia do cargo, bem como seu desligamento da instituição.

Pr. Silas fez um relatório das mais recentes conquistas do seu ministério, como a inauguração das modernas instalações em séde própria da AVEC – Associação Vitória em Cristo, bem como da assinatura de contrato para transmissão do seu programa para cerca de 120 países, via satélite.

Quanto a sua renúncia do cargo e o desligamento da CGADB, disse que teria muito a falar, o que “faria com que muitos arrepiassem os cabelos”, mas preferiu nada dizer e justificar sua saída, apenas com a revelação de que tem uma visão e determinação de Deus para sua vida e para a Igreja Assembléia de Deus Vitória em Cristo, que preside. Aproveitou ainda o ensejo para também justificar em público a mudança da razão social da referida igreja, a qual até então se denominava Assembléia de Deus da Penha.

Ainda que tenha procurado ser o mais coerente possível, não deixou de alfinetar a CGADB, quanto as Assembléias de Deus que ainda dão “importância aos usos e costumes”, e a atenção dispensada pela instituição à “política eclesiástica”, da qual ele mesmo se considerou participante até agora, delcarando no entanto, : “estar cansado”, assumindo que não mais compensa para ele.





Fonte: http://pvpd.blogspot.com Related Posts with Thumbnails
O Ponto Alto do Machismo
15 de Maio/Sábado

Plenitude do machismo:

As mulheres se queixavam muito quando eram cozinheiras, lavadeiras e faxineiras. Quando eram esposas prestativas e mães solícitas. Quando eram objetos sexuais de seus maridos, dóceis e bonitinhas. Quando não podiam trabalhar fora de casa e muito menos ingressar numa universidade. Quando não podiam beber, não podiam fumar, não podiam dirigir carro, não podiam votar, não podiam cometer infidelidade conjugal, embora seus esposos tivessem todos esses "direitos". Quando apanhavam do marido e não contavam a ninguém, nem ao próprio pai.

Hoje a situação é outra em quase todos os países do mundo. E tende a melhorar.

Mas a plenitude do machismo é muito anterior à civilização da mulher do lar. O auge do machismo aconteceu no ano 483 antes de Cristo, quando um conselho de Estado, sob a presidência do todo-poderoso Xerxes I, promulgou a lei mais machista da história. Como se tratava de um império enorme, que começava nas proximidades da índia e terminava onde hoje se encontra o Sudão, na África, o decreto alcançava quase toda a população feminina do mundo de então. Como não havia ainda correio eletrônico, fax, televisão, rádio, telefone, telégrafo nem mala-direta, o texto da lei foi traduzido para todas as línguas do vasto Império, na escrita de cada uma delas, e enviado para as mais longínquas regiões da Ásia Meridional e da África Ocidental, por meio de funcionários públicos que faziam o serviço dos atuais correios.

O decreto era curto e enfático: "Que todo marido fosse chefe da sua casa e que tivesse sempre a última palavra" (Et 1.22, em A Bíblia na Linguagem de Hoje). A lei oficializou o machismo.

Curiosamente, o que provocou o decreto ou a plenitude do machismo foi uma briga conjugal. O vaidoso Xerxes I, também conhecido como Assuero, em meio a uma bebedeira, mandou buscar a mulher para mostrar a beleza dela aos nobres e ao povo que participavam de um banquete por ele oferecido. A rainha simplesmente recusou a comparecer. A ausência de sobriedade do marido e dos comensais e a possível intenção de Assuero de exibir o corpo da mulher, justificaram a atitude de Vasti. Antes que o comportamento da rainha empobrecesse a autoridade de todos os maridos do Império Medo-persa, Xerxes I e seus mais chegados conselheiros, todos homens, acharam por bem amedrontar as mulheres e assegurar o machismo, contemplando-o com a lei do domínio absoluto do homem sobre o chamado sexo frágil. Naquela mesma tarde, a rainha perdeu a coroa e o marido. Mas não perdeu a dignidade. Related Posts with Thumbnails
"Equivocação" da seleção brasileira!
15 de Maio/Sábado



Fonte: http://jasielbotelho.blogspot.com Related Posts with Thumbnails
Livro ensina crianças a se masturbarem
14 de Maio/Sexta Feira

Quando era criança lá com meus 10 12 anos gostava era de soltar pipa, colecionar álbuns de figurinhas, jogar botão, jogar futebol e brincar de pique. Sei que o tempo mudou e as crianças de hoje são mais antenadas com as coisas ao seu redor, o que é uma pena pos deixam de ser crianças muito cedo. Mas esta cartilha é mais uma obra demoníaca, para tirar a inocência e a infância já tão perdida das crianças. Como cristãos precisamos orar cada vez mais para nossos filhos e vigiar aquilo que esta sendo ensinado nas escolas onde freqüentam.

Autor: Pastor Rodrigo Almeida

Reportagem:
A "novela" em torno do livro "Mamãe, como eu nasci?", adotado este ano pela Prefeitura do Recife, teve mais um capítulo ontem. Pela manhã, foi realizada uma audiência pública no plenarinho da Câmara dos Vereadores para discutir os prós e os contras da obra, considerada por alguns pais avançada demais para os filhos de 8 a 10 anos. O livro, escrito pelo educador carioca Marcos Ribeiro, é destinado a crianças dos 7 aos 10 anos. Por causa da polêmica, no fim do mês passado o governo municipal suspendeu temporariamente a entrega dos exemplares aos alunos. O encontro contou com a presença de pais, professores, vereadores e representantes da Prefeitura e do Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Apesar das discussões acaloradas entre evangélicos e docentes, não houve encaminhamentos. Outras duas audiências devem ser marcadas na próxima semana.

A reunião de ontem foi presidida pelo vereador André Ferreira, membro da bancada evangélica. Durante sua explanação, ele chamou o paradidático de "pornográfico" e sugeriuque fossem distribuídas bíblias nas escolas, ao invés do livro de educação sexual. Os pais de alunos presentes na audiência concordaram. As críticas do evangélico foram direcionadas às ilustrações que mostram um menino e uma menina se masturbando. O garoto, dentro de uma banheira. Ela, assistindo TV no quarto. A secretária de Educação do Recife em exercício, Ivone Caetano, rebateu as considerações. "Este livro é recomendado pelo Ministério da Educação (MEC) e ensina a criança a viver sua sexualidade de forma saudável e responsável", justificou.

A promotora de Justiça Katarina Moraes, representante do MPPE, também defendeu o uso nas escolas. "Há, neste livro, importantes contribuições no combate à pedofilia porque orienta as crianças a não permitir que adultos toquem partes íntimas de seus corpos. A secretaria está no caminho certo", opinou. Alguns professores presentes também se pronunciaram favoráveis à obra. Mas ressaltaram que ela deveria ter vindo inserida em um trabalho pedagógico envolvendo toda a comunidade escolar: docentes, pais e alunos.

Para o vereador Daniel Coelho, líder da oposição, a política educacional do município deve sempre buscar o consenso. "O pai que não tem condições de pagar a mensalidade de uma escola particular é obrigado a matricular o filho na pública e deve ter respeitado seus princípios que podem ser liberais ou conservadores", ponderou.



Fonte: http://www.pulpitocristao.com/ Related Posts with Thumbnails
Atletas Convocados Agradecem a Deus
14 de Maio/Sexta Feira

Na tarde da convocação de Dunga à Seleção Brasileira para a Copa 2010, pelo menos sete jogadores declaradamente evangélicos foram escalados: Daniel Alves, Felipe Melo, Gilberto Silva, Kaká, Lúcio, Luisão e Luís Fabiano.

O meia Kaká e o atacante Luís Fabiano aproveitaram para agradecer a Deus no twitter.

“Alegria , alegria. Obrigado meu Deus”, disse Luís Fabiano, conhecido como “Fabuloso”, que já atuou pelo São Paulo e hoje é jogador do Sevilla, na Espanha.

Kaká, que no Brasil também jogou no time tricolor paulista, e hoje é meio-campista do Real Madrid, clube espanhol, expressou: “Glória a Deus!! Que alegria e privilégio de uma convocaçao para a Copa do Mundo / Tks Lord , big honour can play another World Cup [Obrigado Senhor, grande honra poder jogar outra Copa do Mundo] Estou vivendo muito mais do que pedi ou pensei!!”.

A Copa do Mundo começa em Junho na Africa do Sul, o Brasil é um dos favoritos. Este ano a Fifa, entidade máxima do futebol, proibiu toda e qualquer manifestação religiosa em campo, hoje os jogadores utilizam as entrevistas e a internet para falar de sua fé e Deus.

Fonte: Folha Renascer / Gospel+ Related Posts with Thumbnails
Tempo Demais
13 de Maio/Quinta Feira

Apagarei todas as pegadas do que foi até aqui.
Sentarei e chorarei!
Sim, chorarei!

Uma vez e mais uma!
Choraria agora, mas agora escrevo.
Choraria agora!

Apagarei mais uma vez.
Mais um engano.
Mais um tez nua no inverno de Viçosa.
Esta também apagarei. E então…
Nunca mais chorarei pelo mesmo motivo.

Cansei!
Nunca mais esperarei.
Nunca mais crerei.
Sim, nunca mais.

Nunca mais ouvirei músicas felizes
e ficarei feliz com elas.
Apenas fingirei.
Talvez eu erre nesse caminho.

Talvez… provável demais!

Talvez eu volte.
Talvez, nunca mais outra vez!

Nunca mais irei ao cinema e sentarei ao seu lado!
Nunca mais talvez!
Nunca mais atenderei o telefone
e ficarei ofegante
e tremerei
e rirei.

Nunca mais!
Nunca mais provável demais!

Cansei de esperar.
Nunca mais esperarei.
Nunca mais confiarei.
Nunca mais talvez não dure tanto assim.

Autora: Tábata Mori


Fonte: http://blig.ig.com.br/ex_pressao Related Posts with Thumbnails
O Apartamento Dezenove
13 de Maio/Quinta Feira
Dezenove

O prédio está vazio,

mas há muitos moradores... .

Está vazio de amigos,

de risos compartilhados,

de histórias engraçadas,

de cartas abertas na mesa,

dos gritos de “só falta um”,

de portas abertas ao léu,

das brincadeiras sem mal.


O prédio agora é sério.

Pensar é quase adultério,

sorrir é um ato obsceno.

As portas ficam trancadas,

sisudas, mal encaradas,

deixando do lado de fora

Os risos tão “perigosos”,

histórias “subversivas”...

O prédio... perdeu sua alma!


Ah! Como comove

a saudade do “Dezenove”!

Autor: José Barbosa Junior – fevereiro/2010



Fonte: http://www.crerepensar.com.br Related Posts with Thumbnails